CINZAS

Ao vento as cinzas da fogueira

Que ousou queimar meu coração!

O tempo as levou com mão fagueira

Apenas resta a vã recordação.

 

Evoco em mim a triste tez trigueira

Esmaecida por tanta sensação

Que o destino colocou à minha beira

E me soltou, de vez ,a emoção

 

Das cinzas só há reminiscências

De que vou esquecer as minudências

E dizer-me, pela vida, fascinada

 

O presente sarou todas as dores

Em vez de cinzas cultuo como flores

O sentimento de moura encantada.

 

Maria Vitória Afonso

 

 

    MAIS POESIA...

  • Amor é Poesia - João Bentes
  • Outono - Maria Vitória Afonso
  • Ser Mulher - João Bentes 
  • Dia da Mulher - Maria Vitória Afonso
  • A Todos os Pais - João Bentes
  • Brincando Com As Palavras - Maria Vitória Afonso
  • Que Horas São? - Maria vitória Afonso
  • Desejos - João Bentes
  • Quem Somos | Projectos | Agenda | Forum | Contactos